Tags

, ,

Bonde entrando na Rua General Canabarro em 1912. História do RioQuem acha que Gaffrée e Guinle é apenas o Hospital Universitário da UniRio, engana-se. A História desses dois nomes e personagens é muito interessante e relevante para os cidadãos cariocas e sua história de construção da realidade de hoje. No início do século XX, quando a energia elétrica estava sendo apenas começada nos logradouros do centro do Rio de Janeiro e adjacências, além de residências da cidade, havia a interesses na exploração dos novos serviços.

Nas ruas,a exclusividade para iluminação pública e quais quer outro serviços público, era, por decreto imperial,de exclusividade da SAG (Société Anonyme du Gaz). Após a república ser instalada na Capital, e a nova constituição de 1891, as concessões foram refeitas e passaram a dominar sistemas elétricos de ferro carris (bondes) movidos à eletricidade e iluminação das ruas.

Gaffrée e Guinle e a atuação no Porto de Santos

Candido Graffrée e Eduardo Palassim Guinle eram dois homens voltados ao empreendedorismo e às novas tecnologias da época. Ganharam concessões para explorar hidroelétricas, que começavam a despontar na cidade para a geração de energia. Eles já tinham, antes de chegar ao rio, o direito de ceder energia para a Companhia Docas de Santos.

História do Rio - Copacabana à noite década de 20Ao chegar ao Rio de Janeiro, tiveram a dura concorrência da canadense Light and Power. Em 1909, eles criaram então a CBEE (Companhia Brasileira de Energia Elétrica) e passaram a fazer frente à Light e outros grupos de capital estrangeiro. A briga entre as empresas dos Gaffrée e Guinle foram parar na justiça e após inúmeras vezes frente ao tribunal, finalmente, em 1915, a CBEE encerrou suas atividades.

Além da exploração da usinas para geração de energia, eles atuavam em outras frentes para a construção do sistema elétrico nacional. Ao se associarem a Adolf Aschoff, um engenheiro americano, fundaram assim a Aschoff e Guinle, que tinha objetivo de importar material elétrico do exterior. Após a morte de Aschoff em 1904, os Guinle e Cia. Deram continuidade ao trabalho. Assim iniciava-se a história da General Electric no território nacional e na história do Rio de Janeiro.

Grande atuação em Niterói

A empresa tinha maior atuação em Niterói, onde faziam a iluminação das ruas por meio de 3000 lâmpadas incandescentes. A Briga entre o grupo Brasileiro e a Light também permeava o transporte público, já que à época, já começava a substituição dos ferros carris movidos a força animal e a vapor por composições que rodavam com energia elétrica.

O Brasil sempre teve imensa vocação de valorizar o conteúdo estrangeiro em detrimento ao produzido no país. Não sou ufanista, tampouco penso que aqui tudo seja possível. Mas, o engajamento de grupos nacionais que visavam a melhoria dos serviços urbanos e que contribuíram fortemente para evolução do país poderiam ser mais valorizados, inclusive sendo do conhecimento do público. Poucos sabem das histórias dos Gaffrée e Guinle e da história do Rio. Por ajuda deles, hoje, é possível você estar lendo isto por meio de um aparelho elétrico.

Anúncios